sonho e desejo?

peço licença para apresentar, com direito à simplificação, um grifo meu sobre os sonhos

eis então: no clássico, “a interpretação dos sonhos”, sigmund freud, há uma significância passível de entendimento e, por uma investigação e presença de elementos suficientes, podemos chegarmos às bases do sonhado. reside então a importância de analisar.

a fragmentação das imagens nos sonhos é o resultado de um processo de desejo (repreendido e reeditado numa forma pouco confusa – se comparada à realidade concreta – mas aceitável a quem sonha (ou quem deseja) – e possível em um ambiente onírico. são os conteúdos ou pensamentos latentes.

o que chamo aqui de repreensão do pensamento (ou desejo) pode ser entendido como aquilo que não fazemos – seja pela cultura em que estamos inseridos ou por valores nossos ou mesmo medos sociais – mas faríamos se nada nos contivesse. aí, no sonho, o desejo se descarrega, se alivia, se concretiza. de modo ameno. e a vida segue.