meu minimalismo: uma nova fase

venho há tempos falando sobre meu processo de redução da quantidade de objetos e roupas, bem como de outras atitudes que tenho tomado para mudar minha forma de relacionamento com o mundo.

o minimalismo, conforme consta em
algumas das poucas literaturas em português sobre o tema, é composto de três etapas, sendo que a primeira consegui vencer: a eliminação de tudo aquilo sem uso ou de pouquíssimo uso.

assim, reduzi substancialmente a quantidade de livros, objetos, roupa e calçados, chegando a marca de 75 objetos pessoais, apenas.

(cabe sempre lembrar não há numerologia minimalista, ou seja, você pode ter milhares de objetos, desde que eles sejam úteis e essenciais ao seu conforto e propósito de vida.)

também venci o destralhamento digital, abandonando definitivamente diversas redes sociais, como o pinterest e o facebook, ficando apenas com o instagram (fotos), twitter (ideias) e whatsapp (diálogos), é diminuindo drasticamente meu tempo de uso do telefone celular.

agora parto para a segunda etapa: a reorganização da vida pra uma vida melhor.

nesta etapa, o foco será finanças e tempo de trabalho.

em geral, trabalhamos a partir de uma lógica de como (em termos de custos) devemos (ou julgamos que devemos) viver. sempre fiz as contas estimando meus gastos para depois sair por aí atrás de dinheiro. mas, a partir de agora, vou inverter a lógica, decidir com o que gostaria de trabalhar, quanto tempo estou disposto a me dedicar ao trabalho e qual a renda possível de se obter para, aí sim, estabelecer qual deve ser meu padrão de vida.

creio que assim, poderei planejar melhor meus horários e fazer tudo aquilo que desejo, como sentar num parque ou escrever mais contos ou ir ao cinema duas vezes por semana.

também, é hora de desapagar de parte do que sobrou, reduzindo a 50 o numero de objetos. será que consigo?

Boa noite!
2A09687F-8475-4E4C-8C5A-DFF0309C9D69.jpeg

 
8
Kudos
 
8
Kudos

Now read this

​ Minimalismo: usando dinheiro

Um pouco sobre a minha experiência de abandonar os cartões em casa e voltar a usar dinheiro. Criei, há pouco mais de um ano, o hábito de usar dinheiro vivo. Não se trata de um protesto contra o sistema bancário ou uma forma de... Continue →