meu amor por espaços vazios

nem tudo precisa estar preenchido.

se em sua casa, em seu quarto ou até em sua mesa de trabalho há espaço vago, experimente não colocar nada ali, ao invés de colocar algo sem utilidade, somente para ocupar espaço.

digo isso porque sempre fui um ocupador de espaços, um verdadeiro jogador de tetris (lembram?), mas de uns tempos para cá venho tentando mudar esses hábitos e experimentando os espaços vazios.

e o que ganhamos com isso:

1- mais organização

menos coisas, menos coisas fora do lugar e menos tempo e energia gastos com arrumações.

2- menos poeira

os alérgicos (como eu) respiram melhor em ambientes mais livres.

dica: experimente tirar da sala aquela poltrona velha ou aqueles livros que ninguém lê, deixe o ar entrar. no caso dos livros, caso não consiga desapegar, recomendo separar em grupos ao invés de deixar todos empilhados ou enfileirados juntos, para permitir uma limpeza mais fácil. além disso, prefira estantes vazadas, para melhorar a circulação de ar.

3- valor ao que realmente importa

quem tem menos tem mais do que gosta e gosta mais do que tem. pense nisso.

4- mais contemplação

vazios permitem maior contemplação espacial. menos coisas significa menos estímulos e até mais concentração e foco em tudo que fazemos.

tudo aqui são dicas e experiências. não há regra fixa e nem método perfeito, mas é preciso agir, do seu jeito, para abrir a porta e deixar o minimalismo entrar.

72C7FF47-6728-4C0E-8926-DDE3549C1C11.jpeg

 
4
Kudos
 
4
Kudos

Now read this

meu minimalismo: uma nova fase

venho há tempos falando sobre meu processo de redução da quantidade de objetos e roupas, bem como de outras atitudes que tenho tomado para mudar minha forma de relacionamento com o mundo. o minimalismo, conforme consta em algumas das... Continue →