​ Minimalismo: usando dinheiro



Um pouco sobre a minha experiência de abandonar os cartões em casa e voltar a usar dinheiro.

Criei, há pouco mais de um ano, o hábito de usar dinheiro vivo.

Não se trata de um protesto contra o sistema bancário ou uma forma de contornar o uso de cartões de débitos, ou mesmo porque sou vintage e quiser voltar aos tempos das carteiras repletas de notas.

A opção foi por um único motivo: controle.

Eu separei os dias da semana por roteiros. Por exemplo, na segunda eu pego dois táxis, almoço, tomo dois espressos na rua e compro bananas. Isso me custa R$ 50,00.

Saio de casa com uma nota exata e, se eu voltar com algumas moedas, fiz uma economia.

Na terça, o roteiro é outro. E assim por diante.

No domingo, eu já preparo os valores da semana toda e deixo as notinhas separadas. Basta eu acordar e pegar o dinheiro do dia.

Claro que eu não sou louco de levar apenas o dinheiro contato. Sempre carrego R$ 100,00 guardado no Moleskine, para o caso de uma emergência ou gasto extra, e posso sacar dinheiro utilizando o celular. Mas aquela história de cartões de débito - crédito eu nem tinha mais e o Bilhete Único eu parei de usar porque sou sortudo de morar/trabalhar/estudar praticamente no mesmo bairro - etc, abandonei. E consegui assim abandonar a carteira.

Levo somente a minha identidade profissional, também no Moleskine.

A minha dica é experimentar. Começando com um dia da semana, por exemplo, o sábado, e tente sair com o dinheiro contado (Leve o cartão de débito porque isso pode gerar ansiedade ou medo de ficar sem dinheiro pra voltar pra casa) e vá com o tempo percebendo se você consegue se adaptar.

Boa semana.
3EFA9068-6D97-4A12-88E2-C73EBAA146BC.jpeg

 
5
Kudos
 
5
Kudos

Now read this

roupa preta. roupa branca. pouca roupa.

tenho hoje cinco camisetas, duas calças, uma camisa, um blazer e uma blusa. dois calçados. e só. tirando da conta as meias, as cuecas, um cachecol e um gorro, são doze peças que uso pra viver e pra fazer absolutamente de tudo: dar aulas,... Continue →